quarta-feira, 7 de setembro de 2011

CONTRA-ABORTISMO ALÉM DA RELIGIÃO 2.1

É possível falar contra o aborto sem tocar em deus. Leia e entenda
Na intenção de reforçar os argumentos de quem é contra o aborto no seu esforço argumentativo em defesa da vida, venho aqui escrever para vocês bons motivos pra desmotivar as pessoas a cooperar com essas novas versões de campos de concentração, chamadas "clínicas de aborto".
Esses motivos vão bem além da religião e seus tortos caminhos.

Como nos mostra Edir Macedo, bispo chefe da Igreja Universal do Reino de Deus, neste vídeo (além de alas do cristianismo favoráveis à interrupção da gravidez como as "Católicas pelo Direito de Decidir"), a vontade de deus não é o melhor argumento pra ser usado nas campanhas pela vida. De cara, isso esbarra no problema de defender deus no meio dos homens, o que não funciona com quem crê em vários deuses ou nenhum deus. Além disso, como mostra o chefão da Universal, o que chamam "vontade divina" na verdade é vontade de alguém de cima da Igreja disfarçada como toque de inspiração de qualquer coisa do além. Por isso mesmo tantas igrejas, mesmo monoteístas, têm tantos entendimentos diferentes sobre certos temas.

Deixando a fé de lado, trago ao leitor algumas contribuições de certos ramos da ciência, além da política, que não deixa ser uma forma de ciência, mas deixo em destaque pela grandiosidade e importância de suas contribuições e, em verdade, pelo fato de agruparem argumentos que podem ser do interesse do leitor ou não.

1) Ciências


-Biologia

(Esta parte parece que não tem nada a ver, mas é importantíssima) Pra começar, olhe a pele da sua mão direita bem de perto. Mas beeem pertinho mesmo. Você vai notar que além das raízes dos cabelos parecerem espetadas como mudas enterradas, o seu couro é todo cheio de dobras e rachaduras, como se fosse um mosaico imenso de milhões de caquinhos de vidro.

Se pegar uma faca, passar álcool e tirar um pedaço bem pequeno pra ver num microscópio (funciona como uma lupa de grande aumento), dá pra ver isso:

Os "caquinhos de vidro" que vc viu olhando seu braço bem de perto agora aparecem grandinhos. Eles são a união de "caquinhos" ainda menores. Cada "caquinho", na verdade, é um animal microscópico que nasce, respira, come, defeca, cresce, se reproduz e morre. Esse animal se chama célula.


Essa coisa em destaque é a famosa Célula e só pode ser vista com o zoom imenso de um microscópio tão pequena que é
Seu corpo, igual o meu e de outros animais, é formado por trilhões desses bichinhos. Até mesmo bactérias, plantas e aquele mofo que deu na sua roupa é feito disso. Como deve maginar, nem todas as células parecem com essa daí. Tem um tipo pra digerir a comida na sua barriga, outro na sua cabeça pra lembrar das músicas de Reginaldo Rossi e Luan Santana, outro tipo que é vermelho e circula pelo seu sangue trazendo ar, vitaminas e proteínas e levando dejetos e coisas tóxicas até seus rins o que deixa o xixi amarelo... Enfim, cada uma é especializada em fazer alguma coisa e só nessa coisa. É por isso que seu juízo fica na cabeça, não nos pés (se for uma pessoa normal).

É certo que depois de levar uma facada no braço, um pedaço de pano estancando o sangramento e a coagulação do próprio sangue ajudam o corpo a curar a si mesmo (SE ISSO ACONTECER, INDEPENDENTE DE COMO SE SINTA, CHAME UM MÉDICO URGENTE!). Essa cura é possível porque, além de células de autodefesa matarem os vírus e bactérias que estavam na faca, na pele e no ar, os tecidos (união de milhões de células especializadas numa única função) musculares, circulatórios(de sangue), nervosos e epiteliais se recompõem porque as células especializadas vão se reproduzindo até ficar todo mundo junto. Isso acontece todo dia e foi graças a reprodução dessas células que vc cresceu muito desde que era menino/a. É por causa da reprodução dessas células também que é possível seu corpo, sozinho, trocar partes de tecido já velhas e desgastadas por novas.

Células-tronco se reproduzindo até virarem o Embrião
Mas nem toda célula nasce já fazendo alguma coisa. A primeira célula adiposa que formou a fofura da sua cintura não surgiu num passe de mágica. Surgiu de uma célula não-especializada, a polêmica CÉLULA-TRONCO, e foi se reproduzindo à medida que você comia gordura, carboidrato e açúcar demais. Assim é para todas as demais células do corpo humano, dos pés à cabeça. Ou seja, sua história começou quando surgiu sua primeira célula-tronco, aquela que não protege de nada, nem transportava água, mas e reproduzia muito. As células-filhas, como no desenho ao lado, crescam unidas em grupo unido e cada grupinho de novas células-tronco, que não são especializadas, vai se especializando até você virar um feto na barriga de mamãe e lá ir crescendo, crescendo até nascer e ser o que é hoje.

Como fazer uma célula-tronco?
Simples: Aquelas mesmas atividades que os recém-casados fazem na lua-de-mel... Ah, isso não vai funcionar se usarem preservativos ou a moça tiver menstruado recente.


Essa é a visão Macroscópica. Agora vamos ver na Microscópica pra entender melhor:


Dentro de TODA célula existe um Núcleo. Ele funciona como a cabeça da célula: Diz o que tem que ser produzido, o que e quanto vai se descartar de quê, quando é que dá pra célula se reproduzir et cetera.


Dentro do núcleo existe um Código Genético pra cada tipo de criatura que existe no mundo. No nosso caso, de animais humanos, trabalhamos com o Ácido DesoxirriboNucléico, (o famoso DNA do Programa do Ratinho (a sigla vem do inglês DeoxyriboNucleic Acid)). Nesse Código Genético ficam simplesmente TODAS as informações de como deve ser o seu corpo. Cor de pele, tipo de cabelo, formato dos olhos, Quociente de Inteligência, tendência à obesidade, tendência à diabetes, enfim, tudo que o corpo vai carregar como característica a vida inteira e ainda vai passar pros filhos taí. É como um Manual de Instrução de todas as máquinas de toda uma grande fábrica (você).

 
Além de urina, sai um outro líquido de dentro do genital masculino. É branco, fedorento e se chama Sêmen (a famosa 'porra'). Nele ficam milhões de espermatozóides, essas bolinhas sorridentes que correm mexendo com o rabo, que vc vai conhecer mais daqui a pouco. Eles, QUANDO O CARA LIBERA SÊMEN PERTO OU DENTRO DO GENITAL FEMININO, nadam até o Óvulo, representado como a bolinha rosa sorridente no ventre da mulher. Óvulo e Espermatozóide são células especializadas em reprodução que juntam suas partes de DNA pra formar uma não-especializada: A Célula-Tronco



Falando um pouco mais formal, o núcleo manda informações sobre "seu jeito especial de ser" para o ribossomo (um órgão da célula que faz proteínas). Essas informações são gravadas em combinações de aminas (Guanina, Citosina, Adenina e Timina) como se fossem aqueles códigos binários usados em computadores (1010111010110). Num verdadeiro trabalho de Ctrl+C e Ctrl+V, uma cópia de um pedaço da dupla fita de DNA vai pros ribossomos. Lá, se fazem proteínas sob medida pro que o núcleo pediu. Por exemplo, se você nasceu loiro vai ficar escrito no DNA de todas as células que vc é galego, mas as células do seu couro cabeludo são as únicas que podem fazer alguma coisa pra manter essa cor por muito tempo. Então, vão organizando os nutrientes que conseguem pelo sangue em células capilares e 'tintas' específicas. Pra ficar mais claro, jogue este jogo


Cromossomos feios!
Como guardar inúmeros detalhes sobre sua pessoa em combinações de 4 Bases Nitrogenadas (Timina, Guanina, Citosina e Adenina (NÃO PRECISA DECORAR ISSO AGORA. SÓ NA PROVA DE BIOLOGIA)) toma muito espaço, a natureza cuidou especialmente disso COMPRIMINDO as fitas de DNA em Cromossomos. É como pegar um pedaço de arame e enrolar num formato de mola. Aí você enrola e comprime tanto que faz um bloquinho quase inflexível com o arame, mas que ainda dá pra desenrolar e ver detalhes de cada pedaçinho dele. Pronto. Você já imaginou como se faz um Cromossomo usando uma fita bem grande de DNA.




"MAS, RIVALDO, O QUE ISSO TEM A VER COM ABORTO?!"

23 pares de cromossomos: Marca Registrada dos animais humanos

TUDO!

Os abortistas costumam falar um monte de besteira pensando que é biologia. Na intenção de te ajudar a responder a esses egoístas safados, estou aqui repassando coisas que aprendi e serão bem úteis pra nós. Agora sim, vamos começar a argumentação:


1- A ciência já disse quando começa a vida.

Essa é pra jogar o abortista na parede.
Seguinte: Papai tem um Código Genético e mamãe tem outro diferente. Como você viu, o ser humano tem 23 pares de cromossomos. Lembra quando eu disse que pra fazer uma Célula-Tronco basta que um casal em idade reprodutiva e mantenha relações muito íntimas sem camisinha e nenhum outro contraceptivo? Aí é que tá: Nesse momento, se funde 1 Óvulo da mãe com 1 dos milhões de Espermatozóides do pai.

Tanto o Óvulo como o Espermatozóide nascem de um jeito parecido: Uma célula parecendo uma Célula-Tronco se reproduz umas mil vezes até um certo momento da vida. Depois disso, todas elas crescem até mais de 10 vezes o tamanho original e começam a se reproduzir de novo, mas de um jeito diferente: CORTANDO OS CROMOSSOMOS AO MEIO. Como eles são organizados em pares, como vc viu na foto acima, primeiro se separa cada um desses pares (não se preocupe: cada X é igual ao seu par). Depois, como formam um X, são separados em dois I, como mostra nessa foto aí mais perto. Nessa separação em dois I, a célula muda de novo pra ter cabeça e um rabinho (espermatozóide) se o dono for homem ou ficar só como uma bola grande (óvulo), se for mulher. Aí você já sabe: Códigos Genéticos diferentes se juntam pra formar um novo dentro da mamãe (I do esperma com I do óvulo fazem um X que se duplica sozinho pra fazer XX e começar sua história). É aí que começa a vida.

Se sua vida começou com uma célula-tronco, então temos aí seu começo de vida na concepção com seu DNA completo. Não começa dentro do seu pai quando vc estava lá só com metade do DNA. Começa uns minutos depois de papai soltar seus fluídos em mamãe. Depois disso seu coração ainda vai se formar, seu sistema nervoso ainda vai aparecer, mas isso não importa. O que importa é que, assim que foi concebido, seu DNA ficou completo e diferente dos originais do seu pai e sua mãe. Ou seja, não é um pedaço do corpo da mãe; é OUTRO CORPO, OUTRA PESSOA. Tanto é que mainha teve uma baixa no Sistema Imunológico (que proteje de doenças) pra não tratar você como corpo estranho e não te expulsar do ventre.
Está definido o Começo da Vida sem falar de alminhas ou espíritos. Note que enquanto uns consideram que um embrião ainda sem coração não tem vida, astrônomos buscam vestígios de células em outros planetas pra provar que existe vida fora da Terra.

2 - Partindo disso, percebe-se que fazer aborto é matar a Célula-Tronco e suas células-filhas.


Jérôme Leugene. Suas convicções lhe renderam prêmio nobel e convites para
pronunciamentos em Congressos Nacionais como os do Brasil e dos EUA em
questões ligadas ao Direito à Vida e Saúde Pública. Quando se colocou contra
o aborto, logo várias portas se fecharam e até a ONU o via com maus olhos.
Quem diz isso não é a imaginação fértil deste autor, mas pessoas como o renomado geneticista Jérôme Lejeune, que descobriu a Síndrome de Down, primeira doença associada à genética do ser humano. O que o motivou a descobrir essa síndrome foi, justamente, a quantidade de sofrimento sentido pelas mães de crianças com a Síndrome, acusadas de não ter comportamento sexual adequado, e pelas próprias crianças, que eram escondidas dos olhos da sociedade.

Sobre o tema do aborto, Leugene afirma em seu Testemunho:



[...]Desejo trazer a essa questão a resposta mais exata que a ciência pode atualmente fornecer. A biologia moderna ensina que os ancestrais são unidos aos seus descendentes por um liame material contínuo, pois é da fertilização da célula feminina (o óvulo) pela célula masculina (o espermatozóide) que emerge um novo indivíduo da espécie humana.
A vida tem uma longa história, mas cada indivíduo tem o seu início muito preciso, o momento de sua concepção.
O liame material é o filamento molecular do ADN. Em cada célula reprodutora, essa fita, de um metro de comprimento aproximadamente, é cortada em segmentos (23, na nossa espécie). Cada segmento é cuidadosamente enrolado e empacotado (como uma fita magnética em minicassete), tanto que no microscópio aparece como um bastonete: um cromossomo.
Desde que os 23 cromossomos do pai se juntam aos 23 cromossomos da mãe, está coletada toda a informação genética necessária e suficiente para exprimir todas as características inatas do novo indivíduo. Isso se dá à semelhança de um minicassete introduzido num gravador; sabe-se que produz uma sinfonia. Assim também o novo ser começa a se exprimir logo que foi concebido.[...]
[...]Aceitar o fato de que, após a fecundação, um novo indivíduo começou a existir já não é questão de gosto ou de opinião. A natureza humana do ser humano, desde a concepção até a velhice, não é uma hipótese metafísica, mas sim uma evidência experimental.
Confira na íntegra



Depois de fecundado pelo espermatozóide, o óvulo "caminha" das tubas até o útero (esse triângulo sangrando aí no meio) e se gruda no Endométrio. Antes de menstruar, ele fica grosso de uma coisa que 'cola' o Óvulo nele. Durante a menstruação essa 'cola' sai PARECENDO sangue (pra saber mais, pergunte ao seu professor ou a um médico). O que a Pílula do Dia Seguinte faz é impedir que qualquer espermatozóide entre no Óvulo e também IMPEDIR QUE O ÓVULO GRUDE NA COLA (ou seja, é um abortivo legalizado). Os abortivos assumidos mesmo, como Cytotec, removem a cola. As moças que usam comentam que "parece uma torneira" de tanto líquido que perdem. Ambos provocam alterações hormonais intensas.
Seguindo, vamos pensar: Nem todas as céluas, evidentemente, não precisam trabalhar com o DNA inteiro. Então recebem ele completo mas só usam uma parte. Por exemplo, pra quê é que as células do seu estômago vão querer saber da sua cor de pele? E as do seu couro cabeludo têm a ver em quê com o sexto dedo da sua mão que o médico cortou no dia do parto (nascer com dedos a mais também é determinação genética)? Não que elas tenham consciência, mas essa reflexão tem nexo pelo fato de estas células simplesmente não usarem certas partes de DNA. É o processo de Especialização, que faz células-tronco perderem seu poder de construir qualquer parte do corpo para desempenhar uma tarefa bem específica em função do organismo, como gerar força, sustentar ou revestir.

Imaginemos agora que algum mal-intencionado venha a dizer: "Ah, mas quando você toma banho ou se masturba, morrem milhões de células. Isso também é uma forma de aborto." MENTIRA!
As milhões de células que morrem no banho não são pessoas, não tem um fim em si mesmas, são partes de uma pessoa por estarem especializadas, por atenderem a uma finalidade de organização (neste caso, revestir e proteger o organismo). Do mesmo jeito, espermatozóides têm Código incompleto. Isso faz com que não tenham outra utilidade além de se juntar com um óvulo e formar uma nova criatura com um novo DNA. Fora disso, por mais que as células da pele ou da reprodução se multipliquem, tudo que fazem é mais pele e mais "sementes", não um novo ser humano.

Aí me vem outro: "Ah, mas é a mulher que tem que carregar a criança na barriga e ainda sentir as dores do parto. É por isso que ela deve decidir, sozinha, se aborta ou não."

Filhos são o resultado da união carnal de um homem com uma mulher. O bebê não é só dela; não fez sozinha e nunca fará. Ele deve, como pai, decidir pelo filho até os 18 e junto com ele pela vida inteira, como bem coloca a lei brasileira em defesa das crianças.


Agora, algumas notícias:

Pílula do dia Seguinte vira moda perigosa entre as meninas:
" [...]Ao lado da namorada, ele agora conta que não enfrentou qualquer barreira. "Todo mundo vende, todo mundo compra", diz. A menina garante que foi dela a idéia e que pediu para o adolescente comprar. "Tenho 3 amigas que tomaram. É baratinho", revela a garota.


Na cabeça da menina, de 14 anos, o medicamento serviria para dar seguranaça ao dia em que decidisse perder a virgindade. "A gente quer quer o dia seja mágico, que nada atrapalhe", fantasia a garota. [...] "
Confira aqui

Nome insinuante da pílula do dia seguinte induz mulheres ao erro:
"Poslov, POZATO E DIAD passam a sensação de que o medicamento deve ser usado logo após o sexo. “Poslov dá a idéia de após uma noite de love (amor em inglês)”, lembra o ginecologista Abner Lobão Neto, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). O mesmo acontece com POZATO E DIAD. Já Previdez 2 passa a idéia de prevenção da gravidez, o que também está errado já que a pílula do dia seguinte não pode ser usada como método anticoncepcional."
confira aqui

Píluas anticoncepcionais convencionais também são abortivas
"Os anticoncepcionais orais, presentes hoje em dia no mercado, as conhecidas pílulas, têm quatro mecanismos de ação:

1) - produzem a suspensão da ovulação. Neste caso não há fecundação e conseqüentemente funcionam como anticoncepcional;

2) - alteram o estado do muco cervical dificultando o acesso do espermatozóide até o óvulo. Aí também funcionam como anticoncepcional;

3) - determinam mudanças no endométrio (parede interna do útero) impedindo a nidação do embrião. Neste caso funcionam como abortivo.

4) altera a movimentação do óvulo nas trompas. Se este está fecundado resultará em aborto - um microaborto, quando não se dá uma gravidez ectópica (a criança se desenvolve na trompa causando sério risco de vida para a mãe)

Estudos realizados nos EE. UU. demonstraram que a pílula comum pode provocar abortos na proporção de 5% a 10%. Enquanto as mini e micro pílulas (pílulas de baixa dosagem) podem provocar o microaborto em 30% a 50% dos casos.
" 
Escrito pelo Professor Humberto L. Vieira aqui


Pra fechar a contribuição da Biologia, seria interessante ver um caso de um aborto visto pelo ultrassom, o que serve de testemunho para eventuais consultas de opinião. (áudio em espanhol):
 *Curiosidade: Depois de ver o sofrimento da criança, o médico que realizou esse procedimento nunca mais praticou abortos.




- Psicologia 



"[...] No artigo, intitulado "Afaste suas políticas do meu sofrimento depois de um aborto propositado", Underwood observa que organizações como a Associação Americana de Psicologia afirmam que a síndrome pós-aborto não existe — mas isso não a impede de sentir de forma aguda a perda de seu filho ausente.
Num relato que ecoa o sofrimento documentado de inúmeras outras mulheres que fizeram aborto, tais com aquelas na campanha Silent No More Awareness (Conscientização Não Mais em Silêncio), Underwood diz que três anos depois de seu aborto ela começou a ter pesadelos sobre bebês, e sentia falta de seu "filho em potencial" enquanto estava acordada. "Foi atordoante que eu conseguisse sentir tanto remorso sobre uma decisão que eu supunha escoraria a estrutura da minha identidade", escreveu Underwood.
"Dava uma sensação de traição confessar que, longe de pensar que eu havia expelido do meu corpo uma 'bolha de células', eu agora ficava pensando quem teria sido a pessoa que abortei".
[...]"
Continuar lendo aqui



Para todos os efeitos, por qualquer que seja a maneira, matar pessoas é uma experiência marcante e até traumática, mesmo para militares. A interrupção da gravidez, como já visto, se inclui claramente nesse processo.

Isso se dá pela clara verdade de que não é natural da mente humana trucidar seus semelhantes. O sentimento de alteridade (se imaginar no lugar do outro), as regras de convívio social, a solidariedade são claros sinais de que é estranho à espécie humana esse aglomerado de pensamentos ultraindividualistas que circulam por aí. Tão estranho que, além das próprias vítimas, o balaio de idéias e práticas do alto egoísmo prejudica também os mesmos que promovem a destruição de alguma forma.

É o que explica a seguinte verdade:

Mulheres que abortam têm mais chances de ter problema mental:
 "Mulheres que fazem abortos têm quase o dobro de risco de desenvolver problemas mentais em comparação com as demais pessoas, segundo estudo. A pesquisa descobriu que o aborto afeta a saúde mental e pode causar ansiedade, depressão, alcoolismo, abuso de drogas e suicídio. As informações são do Daily Mail. "
Continue Lendo

As origens desses hábitos estão numa série de exercícios de insensibilidade vividos e estimulados cada vez mais nas sociedades de hoje. É a glorificação do sofrimento animal (rodeios, touradas, rinhas), a valorização do mundo das coisas que cresce em proporção inversa à valorização das pessoas, o desprezo pela dignidade do próximo, junto com a idolatria à exploração do trabalho alheio... Tudo isso cria um ambiente social ultraegoísta, brutalmente competitivo e destrutivo revestido pela ilusão de que somente se deixando explorar e explorando outros cada vez mais uma pessoa ou um país inteiro vá ter o que chamam 'sucesso'. Os poderosos, sem dúvida, são os principais beneciados por isso, enquanto a psicopatia é fomentada veladamente por escolas, universidades, empresas, quarteis e instituições religiosas. Assim aponta a Sociedade Paulista de Psicanálise:
"[...] Infelizmente, a psicopatia não tem cura. A psiquiatria não possui remédios para ela e a psicanálise e a psicologia são inúteis neste caso. A única forma dos pais diminuírem as consequências de um filho psicopata é utilizando um grande vigor e tentando construir algum superego (estrutura psíquica onde ficam os freios morais) para o filho. O castigo aqui é necessário, não tem jeito. O psicopata precisa de leis e regras duras. O Exército e a Polícia, por exemplo, são refúgios comuns para psicopatas. Não que todos que estejam nessas instituições sejam psicopatas, mas uma boa parte deles segue esse caminho. Só que se pensarmos que, hoje, uma a cada vinte pessoas é psicopata, concluímos que elas estão por todas as partes.
E aí que a coisa começa a assustar. Os psicopatas estão espalhados por aí e são cada vez mais bem sucedidos em empresas e círculos sociais. A individualidade e a frieza da sociedade capitalista contemporânea têm criado condições para a construção de verdadeiras estruturas psicopáticas institucionalizadas. [...]" (grifo nosso)

Continuar lendo aqui

Isso pode explicar loucuras como a seguinte:

Francesa que matou 8 filhos se diz aliviada por confessar
" A francesa que confessou ter matado oito filhos recém-nascidos está se sentido "aliviada" após ter revelado os fatos à Justiça e ter sido indiciada pelos crimes, afirmou seu advogado, Frank Berton, nesta sexta-feira.
Dominique Cottrez, que é auxiliar de enfermagem, está presa e pode ser condenada à prisão perpétua por ter sufocado oito recém-nascidos."Ela não precisa mais carregar isso na consciência e é também uma espécie de alívio", declarou Berton.
Os corpos dos bebês foram encontrados nos últimos dias em Villers-au-Tertre, pequeno vilarejo de apenas 700 habitantes no norte da França. [...]  
[...] O advogado também afirma que perícias serão realizadas para determinar o estado psicológico da mãe dos oito bebês.
Segundo a psicanalista Sophie Marinopoulos, autora do livro A Vida Ordinária de uma Mãe Assassina, essas mulheres, na maioria dos casos de infantícidios, "são descritas como tímidas ou reservadas pelas pessoas à sua volta, mas isso esconde uma grande pobreza afetiva e a incapacidade de expressar seus sentimentos".
De acordo com a especialista, as mães que cometem infanticídio confessam o crime imediatamente "para se sentir liberadas", mas elas "são incapazes de explicar o ato". Ela afirma também que essas mães "sempre guardam os corpos perto delas".
Marinopoulos, que estudou vários casos de infanticídio, diz que essas mães optam por ignorar a gestação e que "o único objetivo delas é extrair a criança e sobreviver".
"Elas limpam tudo e somem com o corpo de maneira mecânica. Aliviadas, as mães infanticidas retornam às suas vidas comuns sentindo o mesmo sofrimento psicológico", afirma a psicanalista. [...]"
leia mais

E, para além dessas formas de Síndrome Pós-Aborto, vale pensar também nos impactos coletivos trazidos por tamanha frieza. Na China, país mais conhecido por suas leis nesse sentido, um caso continuado chocou milhões de pessoas:

Na China, vendem Sopa de Feto e Placenta Humanos:
" Eu já tinha ouvido falar, mas não acreditei. Dessa vez recebi no e-mail e pesquisei um pouco e o pior que é verdade. Um jornalista conversou com um sujeito de 62 anos (ao lado de uma garota de 19), me parece que um pequeno empresário taiwanês, que afirma tomar regularmente a sopa, fácil de fazer, segundo ele, porque o aborto é um procedimento usual na China. Algumas mulheres chegam a vender o feto, que deve ter até seis meses. A sopa é feita com ervas da medicina tradicional chinesa que, acredita-se, aumentam a potência sexual, tipo bajitian, dangshen, o conhecido chinese wolfberry, entre outras mais populares, como gengibre. E leva outras carnes também, como galinha e porco. [...] "
 veja com seus olhos

Pode parecer exagero, e de fato seria na realidade brasileira, apesar de também termos os nossos canibais. Mas não é o consumo de carne humana o tema aqui destacado. Mantendo as atenções no sentido original, destaco a grande consequência psicológica geral trazida pelo aumento dessa opressão de classe e de gênero (como explicarei adiante), que é o enfraquecimento da moral pública.

 Como visto, a banalização de medidas cruéis como o aborto faz com que muitas pessoas vejam não só a interrupção da gravidez em si como aceitável, mas também uma série de abusos envolvendo bebês ou não, como a negação de ensino e outros serviços humanitários ao "excedente populacional" (como alguns veem os pobres) ou mesmo sua limpeza social pelas armas dos mercenários do comércio, como se fazia frequentemente pelos anos 80 e 90 no Brasil com mendigos e menores abandonados (e ainda se faz).

O mesmo vale para a compaixão com as crianças
Sem princípios, sem valores, como esperar que haja paz no mundo? Como será possível romper a bolha de indiferença que aprisiona tantos em seus mundinhos particulares reforçando as paredes dessa prisão de idéias obscuras?

Isso é um absurdo!

Muito além da divisão adolescente entre "careta" e "moderno", essa questão se mostra crucial pro comportamento cotidiana de todos os habitantes deste mundo.

Ter compromissos éticos, valores, moral não é defender que a situação de tudo permaneça como está; muito ao contrário, é resistir às novidades desastrosas de um sistema imoral que nunca conseguiu produzir riqueza para o mundo sem produzir miséria em igual proporção para povos inteiros econômica e psicologicamente!

Em sentido oposto ao que creem muitos ingênuos falantes espalham onde podem, a verdade expressa nas mais parciais fontes jornalísticas comprova inúmeras vezes que o (neo)liberal é o inimigo das massas, o que faz do conservador seu opositor direto e mais eficiente. Exemplos não faltam:

. Na União Soviética, o governo produzia pôsteres contra o alcoolismo e só em 91, com o fim do bloco, é que os ex-socialistas começaram a sofrer com as epidemias de heroína;
*SEM TRADUÇÃO* Soldado americano conversa tranquilamente com
muçulmano em meio a uma plantação de maconha. Além disso, fora dessa
foto, depois de os EUA tirarem os muçulmanos do Afeganistão alegando caça
aos terroristas, a produção de papoula (matéria-prima de ópio e heroína) saiu
de 0 para toneladas que se faziam antes dos talebãs tomarem o poder por lá.
Coincidência interessante, não?
. Na China, a Grande Revolução Cultural Proletária conseguiu, dentre outras conquistas, fechar casas de ópio que rendiam muito dinheiro para o Ocidente, especialmente a monarquia inglesa;
. Nos EUA, enquanto o Partido das Panteras Negras apoiava Martin Luther King e lutava contra a drogatização das comunidades negras (eles acusam o governo de ter apelado para isso no esforço de minar o movimento), a CIA comprava armas para dar a pessoas como Bin Laden com dinheiro conseguido a venda de cocaína e heroína pela América Latina e Europa;
. Silvio Berlusconi, como tantos outros 'moralistas' ligados aos poderosos senhores da mídia, da indústria e do latifúndio, promovia festas em seus palácios semelhantes às dos seus milenares antecessores do extinto Império Romano.

Esses são apenas alguns dos abundantes exemplos da antiética (neo)liberal. Apontam eles pra imoralidade inerente do mundo dos ricos, safadeza essa apoiada com uma perna na busca viciada a todo prazer individual (mercadoria) e com a outra atolada na garantia do descontrole (individualismo burguês, a essência das desregulamentações) de suas ações, principalmente as financeiras. É a negação do cotidiano de disciplina, sobriedade e eficiência do mundo dos pobres durante a produção de riquezas (E DE HISTÓRIA). Essa perversão econômico-moral já foi bem descrita em DUFONS. Foi evocada aqui justamente para demarcar claramente a existência de mais de um tipo de conservadorismo e, ao mesmo tempo, mostrar onde nasce a hipocrisia do discurso conservador daqueles que estão no poder reforçando a miséria econômica e sentimental dos pobres com seus desmandos, causando doenças em geral e formando monstros como aquele puxa-saco tirano que vive de lhe espionar pro seu chefe.

Por falar em desmandos, entram agora as contribuições de outro ramo das ciências: a economia



 - Economia
PODIA SER VOCÊ

Quando se fala nesse tema, os abortistas muitas vezes argumentam que "Tem que liberar porque aí os pobres não tem que gastar ainda mais com um filho, o que diminui a pobreza."

"Relembrem das famílias escravas do capital"
Isso contém duas incoerências bem claras: 
1) Antes vivo, pobre e na luta por um mundo melhor do que morto em silêncio numa lata de lixo inox!
Não é por culpa dos pobres que existe pobreza. Alegar que medidas cruéis como essa, semelhante à esterelização forçada e à proibição de adoção para quem tem baixa renda, é ficar contra os pobres, em defesa da concentração de renda fora e dentro da família, deixando impunes os ricos e os governos que são verdadeiros responsáveis pela pobreza!Se o sistema não cuida dos mais necessidados, não se deve destruir as crianças e manter a ordem do governo; ao contrário, é uma obrigação moral destruir o sistema transformando a ordem e o governo pela manutenção das crianças!; e

2) Esse argumento, muito longe de servir aos interesses do povo, nada mais é que uma clara defesa da criminalização da pobreza, afirmando que os pobres devem ser punidos por serem pobres com pena de morte. É como se os filhos de pobres, longe de serem a força revolucionária que realmente muda o mundo, não passassem de um peso, um tormento na vida de outros pobres que deve ser eliminado. Pra piorar a situação, muitos políticos de direita e esquerda concordam com aquela frase! ¬¬ Mas desses sujeitos eu falo daqui a pouco.

Seguindo com o tema das implicações econômicas da prática e legalização do aborto, vamos sair dessa visão pequena e pensar a nível nacional.
Como se sabe, o Brasil proibe claramente a prática de aborto em seu Código Penal. Por isso, trago aqui uma análise de um país que serve de modelo para quase tudo neste país: Os EUA.

"O projeto Mona Lisa: Investigando ajuda da Planned Parenthood no 'abafamento' de abusos sexuais - Planned Parenthood: 'Por favor, não diga que te falei isso'; 'Eu não me importo com a idade dele'; 'Eu não quero saber a idade' - Veja os vídeos secretos chocantes"
Nos Estados Unidos existe uma empresa estatal de nome Planned Parenthood (Paternidade Planejada). A função única dela é abortar pessoas, prática legalizada em muitos estados americanos.


Segundo investigação feita pelo movimento Pró-Vida de lá, essa empresa simplesmente favorece o crime de prostituição infanto-juvenil. Funciona assim: Como eles são a terra da "democracia e da liberdade", não impedem que as pessoas exerçam seu 'direito de fazer o que bem entenderem com seus corpos'. Sabe como é, né? Pra eles, liberdade de investimento e consumo são valores sagrados, mesmo que as mercadorias em questão sejam corpos humanos.
Então, liberam o aborto e, pra impedir que papai descubra, fique com muita raiva e ainda deserde a mocinha (e o namorado dela, a depender do caso), o governo americano liberou o aborto e de quebra decretou que todos os pedidos pra cancelar gravidez corram em sigilo, mesmo vindo de menores de idade. Ou seja: LIBERA GERAL QUE SÓ VC, O JUIZ E A PLANNED PARENTHOOD FICAM SABENDO (o que provavelmente atrai turistas de outros países.

Isso favoreceu, pra minha surpresa logo diminuída pela lembrança dos vários pobres de lá, redes de prostituição com maiores e menores de idade. É muito simples: Pegam uma das várias moças pobres de lá pervertidas pela mídia, oferecem dinheiro e uma vida prazerosa (que logo se mostra como um cotidiano de estupros) e quando o bicho pega, caso a moça não lembre da camisinha ou não guarde na bolsa pros pais não desconfiarem ou por falta de instrução, vai na Planned Parenthood e deixa a roda do mercado girar em paz. Sem preocupação com a gravidez precoce, sem investigar as causas, não se procura saber o que aconteceu com a mocinha pra ter engravidado assim cedo, nada. Simplesmente se garante o aborto e pronto.




Isso acontece no Império Ianque, país mais rico do mundo, mais militarizado, mais paranoico, mais viciado em cocaína, mais isso, mais aquilo, mais um McFritas com sangue.
Imagine num país pobre da Ásia, da África ou da América do Sul.

Condições pra essa tragédia já temos, faltando só a liberação do governo para algo que já se faz:
"MENINAS PROSTITUTAS
Quando começou a cuidar de meninas prostitutas em Recife, a advogada Ana Vasconcelos ficou ao ouvir falar de uma expressão desconhecida e usada como sinônimo de aborto. De fato, é uma palavra estranha: "pezada".

Ela acompanhava uma descontraída conversa entre duas meninas. Uma delas contou que há dias tinha feito um aborto e, enfim, estava livre da gravidez que lhe tirava clientes da rua:

_ Como tirou?  - Quis saber a menina que ouvia o relato
_ Foi com 'pezada' - respondeu.
Ana se aproximou, curiosa. E perguntou:
_ O que é 'pezada'?

A advogada ficou estarrecida com a explicação. 'Pezada' era levar um chute forte na barriga. Era um meio, segundo a menina, fácil e certeiro de fazer aborto. E, ainda por cima, barato - não necessitava de médico. Bastava a ajuda de alguém que se dispusesse a dar uma 'pezada' , o que não era difícil.

_ Passei algumas noites sem dormir direito quando me contaram essa história de 'pezada' - relembrou Ana Vasconcelos que, em Recife, trabalha há vários anos com meninas prostitutas, tentando recuperá-las para o mercado de trabalho.

Ela fez pelo menos três descobertas sobre o aborto estilo 'pezada'. Com os médicos que atendem em prontos-socorros públicos, soube que uma grande quantidade de meninas que se submetia a chutes no estômago era internada com infecções e hemorragias. Soube também com outras meninas  que esse método era difundido entre prostitutas do Recife por ser barato.

A descoberta que mais a espantou, entretanto, foi como muitas delas se submeteram à 'pezada'. Ela entrevistou prostitutas e acabou descobrindo que os policiais do Recife provocavam muitos abortos com 'pezadas' quando, por acaso, brigavam com meninas prostitutas grávidas."

A guerra dos Meninos
Gilberto Dimenstein

Não que a proibição do aborto vá impedir a ação dos senhores de escravos sexuais, mas a liberação, ainda mais nos moldes americanos, traz um grande favorecimento à impunidade deles.


Só pra lembrar: Estamos numa economia-política feita especialmente pra agradar às classes dominantes. E pra ser classe dominante neste sistema de produção riqueza, você precisa de Propriedade Privada e Muito Capital. Poucas pessoas têm muito capital e menos gente ainda tem propriedade privada de uma coisa que dá muito dinheiro. Dentre esses poucos, quem estão? OS CLÍNICOS DE ABORTO!

Eles cobram caro por um serviço ilegal, sem publicidade e sem muita higiene (a depender da clínica). Como isso tem importância considerável na economia de vários países (especialmente países pobres e bem conhecidos por suas facilidades para o turismo sexual), é de se esperar que essa categoria profissional suba mais ainda à condição de elite.
Erotização Infantil: Conquista histórica da classe do ricos
conseguida de várias formas, como a perversão generalizada
que se acentua de geração a geração, com os pais sendo
muitas vezes mais inertes e tolerantes com a perversão
dos filhos, o que explica as roupas da moda encurtarem com
o passar das décadas, assim como o respeito pelos
sentimentos dos outros e por si mesmo. Assim, o excesso de
trabalho dos pais e a mídia dos ricos disciplinam os corpos
para se venderem como se isso fosse a coisa mais gloriosa
do mundo. Isso vai além da prostituição infanto-juvenil.
A partir daí a coisa só vai: Como dito em "DUFONS", quando alguém ou, melhor dizendo, um grupo econômico ganha dinheiro de uma certa fonte, inevitavelmente procura novas formas de aumentar o faturamento e alterar a realidade ao próprio favor. Aí, eles pagam cientistas pelos seus inventos que aumentam e/ou barateiam a produção, contratam mais gente, FAZEM PUBLICIDADE E ATÉ ARRUMAM A POLÍTICA EM FAVOR DELES MESMOS. Isso vale tanto pra produtores de aço e donos de escolas como para aborteiros e narcotraficantes. É dinâmica básica de qualquer empresa.

Vamos pensar em exemplos, pra ficar mais claro: Fulano é dono de uma conhecida clínica de aborto no Rio e tem um bom faturamento fazendo aquilo com dezenas de crianças todo dia. Então, em pleno período de campanha eleitoral, Fulano tem a honra de receber em seu campo de concentração particular um sorridente idoso enrugado de um partido que jura defender "o socialismo e a liberdade" (ou então Fulano vai atrás do velho. Não importa a ordem). Depois de muita conversa, os dois trocam sorrisos, abraços e Fulano, com muita pena do velhinho necessitado na campanha, dá-lhe uma maletinha cheia de papéis intere$$antes. Aí, num ato surpreendente, o idoso ganha a eleição. Oh! Pode não ter 'socialismo e liberdade', mas com certeza vai ter legalização do négocio de Fulano, de outros iguais Fulano e das indústrias farmacêuticas que não precisarão mais se preocupar com apreensões de seus contrabandos de Cytotec e DIAD.
"Love's Baby Soft. Porque inocência é mais sensual
do que você pensa"
Propaganda de cosméticos incentivando pedofilia

Festa para o Idoso Enrugado, para Fulano, para os Amigos de Fulano, para as indústrias farmacêuticas que ajudam no trabalho de Fulano e lata de lixo pra sempre pra quem não teve a chance o direito de nascer e viver, como aqueles abortistas tiveram.
Pronto. Fulano pode continuar faturando sobre a morte com firma legalmente reconhecida, higiene e ainda desenhando cartazes pra naturalizar seu trabalho no meio da sociedade CONTANDO COM AJUDA DE PARTIDOS POLÍTICOS. Agora o que era crime está liberado, quem estava preso será solto e quem tiver achando ruim cale a boca 'pra não ser machista porque agora temos Socialismo e Liberdade'. ¬¬'

De quebra, sobe o faturamento das redes hoteleiras e empresas de turismo estrangeiras e nacionais com o 'curioso' aumento da atração turística brasileira. É a nova lei gerando emprego e renda junto com a televisão e o rádio distraindo e pervertendo os jovens, a mocidade ficando cada vez mais (neo)liberal e as clínicas de aborto, estatais ou privadas, fechando o quadro de horror. Mas isso não importa. Na cabeça de camarão dos abortistas e dos que têm capital, o que importa é que cre$cimento econômico acima de tudo.

E POR DEBAIXO DOS PANOS O POVO MORRENDO!






Acha exagero?
"Turismo sexual estimula prostituição infantil no Brasil

DA BBC BRASIL
Um programa da BBC mostrou que crianças estão suprindo uma crescente demanda de turistas estrangeiros que viajam ao Brasil atrás de sexo e acompanhou as tentativas de controlar o problema.

O programa "Our World: Brazil's Child Prostitutes" ("Nosso Mundo: As Crianças Prostitutas do Brasil", em tradução livre), vai ao ar no canal de TV internacional de notícias da BBC, BBC World, neste fim de semana.
A cada semana, operadores de turismo despejam nas cidades brasileiras milhares de homens europeus que chegam em voos fretados especialmente ao Nordeste em busca de sexo barato, incentivando assim a prostituição.
O problema, que foi constatado pela BBC em Recife, já estaria levando o Brasil a alcançar a Tailândia como o principal destino mundial do turismo sexual.
De acordo com o repórter Chris Rogers, responsável pela reportagem, apesar das garantias de uma ação policial, nas ruas da capital pernambucana parece haver poucos indícios de que a prostituição infantil está desaparecendo.[...]"
 continue lendo aqui   


Ah, e ainda tem a Segurança Pública!

"Você faria isso?"
É a lei do aborto garantindo 'a paz e a segurança' da sociedade, como defende nosso querido e amado governador!
Pois é... De que adianta uma economia que cresce tranquilamente com o dinheiro da morte e todo o favorecimento à prostituição que isso dá sem ter segurança pública?
 Já dizem os abortistas, dentre eles o governador carioca Sérgio Cabral (PMDB-RJ), "Interrupção da gravidez tem tudo a ver com a violência pública. Você pega o número de filhos por mãe na Lagoa Rodrigo de Freitas, Tijuca, Méier e Copacabana, é padrão sueco. Agora, pega na Rocinha. É padrão Zâmbia, Gabão. Isso é uma fábrica de produzir marginal". Confira aqui
(O governo do Gabão repudiou Cabral por isso)


Esse é o tipo de gente que diz estar representando o povo no governo...
A mim não representa.




Note que não existe nenhuma preocupação de Cabral ou qualquer outro abortista com a inocência de quem desce pela mangueira. Pra eles, uma pessoa igual a qualquer um de nós comete um crime só porque existe e esse crime de existir, que pra eles leva a outros crimes de certeza, deve ser punido já no começo de tudo com PENA DE MORTE, mas não com garantias de educação, moradia e emprego.


É verdade, como podem ver aí pela web, que em comunidades onde o aborto é legal os números da criminalidade costumam ser menores.
PODIA SER VOCÊ
MAS E DAÍ?! Que se dane o quanto de roubos e assaltos se cometam! NÃO HÁ DINHEIRO QUE PAGUE A VIDA!
Não interessa quantos celulares serão roubados, quantas carteiras serão batidas.
O que importa é que o povo viva e sua vida não seja ameaçada por gente da laia daquele governador de milícias!



Por falar em políticos, vem com a última parte deste seminário escrito:

2) Política





NUNCA SE ESQUEÇA: Política fazemos todos nós, não só aqueles que nos roubam
nos palácios do governo
As ciências, com todos os seus métodos, formas e genialidades, são excelentes em fazer conhecimento. Mas é só isso o que fazem: Dar conhecimento.
Isso não basta. É preciso usar esse conhecimento. Que ele saia da quieta tinta dos livros para o agitado movimento das massas por ruas e praças!
E, sendo cidadã (o) do Brasil e do Mundo, é obrigação sua e minha pensar grande e mais ainda, tomar partido, fazer um serviço bem feito em defesa da vida a cada oportunidade que surje para isso.

Assim que se faz a necessidade de atuação política! Muito longe de se limitar às formas refinadas e escancaradas de saquear os cofres públicos nos palácios do governo, a prática política consiste em aplicar o Interesse Público de todas as formas e acima de tudo! Isso não exclui o povo do poder de mudar a própria realidade e construir seu próprio futuro, MUITO AO CONTRÁRIO, é o caráter público das atividades do governo, TODAS sustentadas pela riqueza produzida pelas massas, que justifica o direito popular de participar de todas as formas da política!


Agora começemos a discussão política encarando o seguinte fato:
A LIBERAÇÃO DO ABORTO É UMA MEDIDA NECESSARIAMENTE ANTIPOPULAR E ANTIFEMINISTA



Não há dúvidas de como a prática do aborto, por seu caráter opressivamente letal, serve completamente pra exterminar a vida de pessoas que, muito provavelmente, seriam pobres. Isso se percebe não só nos argumentos dos políticos e ativistas que defendem sua legalização, mas na própria conduta que se assemelha ao abandono de menores pela intenção clara de deslocar a criança para longe de qualquer cuidado dos pais. Sem amparo, sem alguém que garanta bom fornecimento das necessidades mais básicas para crescer bem, é muito difícil para qualquer um viver longe da miséria. E isso não é brincadeira. Os números da violação ao mais fundamental dos direitos, a vida, são assombrosos e provam, claramente, que o aborto é um verdadeiro genocídio de pobres:


UMA EM CADA CINCO BRASILEIRAS ATÉ OS 40 ANOS JÁ FEZ ABORTO:
"Uma em cada cinco brasileiras de 40 anos (22%) já fez pelo menos um aborto, aponta o maior levantamento sobre o tema realizado no País. Quando consideradas mulheres de todas as idades, uma em cada sete (15%) já abortaram. Ao contrário do que se imagina, a prática não está restrita a adolescentes solteiras ou a mulheres mais velhas. Cerca de 60% das mais de 2 mil entrevistadas interromperam a gestação no centro do período reprodutivo - entre 18 e 29 anos.
"A maioria é de mulheres casadas, religiosas, com filhos e baixa escolaridade", revela a antropóloga da Universidade de Brasília Debora Diniz, autora principal do estudo. "Elas já têm a experiência da maternidade e tanta convicção de que não podem ter outro filho no momento que, mesmo correndo o risco de serem presas, interrompem a gestação", diz. [...]
[...] Financiada pela Fundação Nacional de Saúde, a Pesquisa Nacional de Aborto entrevistou 2.002 mulheres entre 18 e 39 anos de todo o País. A técnica utilizada é semelhante a de pesquisas eleitorais e, como o anonimato é garantido, estima-se uma margem de erro de apenas 2%. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo ."

Confira aqui (essa pesquisa foi premiada pela ONU)

Menos pobres, menos excluídos, menos pessoas pra ajudar com moradia, alimentos e emprego, menos revoltosos, menos guerrilheiros e muito mais estabilidade política.

Eduardo Galeano, em seu livro "Veias Abertas da América Latina", confirma exatamente o que se diz aqui:

"[...]São secretas as matanças da miséria na América Latina; em cada ano explodem,
silenciosamente, sem qualquer estrépito, três bombas de Hiroxima sobre estes povos, que têm o costume de sofrer com os dentes cerrados. Esta violência sistemática e real continua aumentando: seus crimes não se difundem na imprensa marrom, mas sim nas estatísticas da FAO.
"A pobreza e a fome são formas de terrorismo
capitalista (regime dos ricos, para os ricos e pelos ricos)"
Ball diz que a impunidade é ainda possível, porque os pobres não podem desencadear uma guerra mundial, porém o Império se preocupa: incapaz de multiplicar os pães, faz o possível para suprimir os comensais. “Combata a pobreza, mate um mendigo!”, rabiscou um mestre do humor-negro num muro da cidade de La Paz. O que propõem os herdeiros de Malthus senão matar a todos os próximos mendigos, antes que nasçam? Robert McNamara, o presidente do Banco Mundial, que tinha sido presidente da Ford e secretário da Defesa, afirma que a explosão demográfica constitui o maior obstáculo para o progresso da América Latina e anuncia que o Banco Mundial dá prioridade, em seus empréstimos, aos países que realizam planos para o controle da natalidade. McNamara comprova, com pesar, que os cérebros dos pobres pensam cerca de 25% a menos, e os tecnocratas do Banco Mundial (que já nasceram) fazem zumbir os computadores e geram complicadíssimas teses sobre as vantagens de não nascer. “Se um país em desenvolvimento, que tem uma renda média percapita de 150 a 200 dólares anuais, consegue reduzir sua fertilidade em 50% num período de 25 anos, ao cabo de 30 anos sua renda percapita será superior pelo menos em 40% ao nível que teria alcançado mantendo sua fertilidade, 8 e duas vezes mais elevada ao fim de 60 anos”, assegura um dos documentos do organismo.
Soldados Israelenses e crianças palestinas
Tornou-se célebre a frase de Lyndon Johnson: “Cinco dólares investidos contra o crescimento da população são mais eficazes do que cem dólares investidos no desenvolvimento econômico.” Dwight Eisenhower prognosticou que, se os habitantes da Terra continuassem multiplicando-se no mesmo ritmo, não só se intensificaria o perigo de uma revolução, mas também se produziria “uma degradação do nível de vida de todos os povos, o nosso inclusive”.

Os Estados Unidos não sofrem, dentro de suas fronteiras, o problema da explosão demográfica, mas se preocupam, como ninguém, em difundir e impor, nos quatros pontos cardiais, a planificação familiar. Não somente o governo; também Rockefeller e a Fundação Ford sofrem pesadelos com milhões de crianças que avançam, como lagostas, partindo dos horizontes do Terceiro Mundo. Platão e Aristóteles haviam-se ocupado do tema antes de Malthus e McNamara; contudo, em nossos tempos, toda esta ofensiva universal cumpre uma função bem definida: propõe-se justificar a desigual distribuição de renda entre os países e entre as classes sociais, convencer aos pobres que a pobreza é o resultado dos filhos que não se evitam e pôr um dique ao avanço da fúria das massas em movimento e em rebelião.
Crianças russas em 9 de maio de 2012
Os dispositivos intra-uterinos competem com as bombas e as metralhadoras, no Sudeste asiático, no esforço para deter o crescimento da população do Vietnã. Na América Latina é mais higiênico e eficaz matar os guerrilheiros nos úteros do que nas serras ou nas ruas. Diversas missões norte-americanas esterilizaram milhares de mulheres na Amazônia, apesar de ser esta a zona habitável mais deserta do planeta. Na maior parte dos países latino-americanos não sobra gente: ao contrário, falta. O Brasil tem 38 vezes menos habitantes por quilometro quadrado do que a Bélgica; Paraguai, 49 vezes menos do que a Inglaterra; Peru, 32 vezes menos do que o Japão. Haiti e El Salvador, formigueiros humanos da América Latina, têm uma densidade populacional menor do que a Itália. Os pretextos invocados ofendem a inteligência; as intenções reais inflamam a indignação.

Afinal, não menos da metade dos territórios da Bolívia, Brasil, Chile, Equador,Paraguai e
Venezuela está habitada por ninguém. Nenhuma população latino-americana cresce menos do que a do Uruguai, país de velhos; entretanto nenhuma outra nação tem sido tão
castigada, por uma crise que parece arrastá-la aos últimos círculos dos infernos. O Uruguai está vazio e seus campos férteis poderiam dar de comer a uma população infinitamente maior do que a que hoje sofre, sobre seu solo, tantas penúrias. [...]"

Baixar Livro inteiro

Sobre o caráter antifeminista do aborto, contrariando a crença de muitos feministas, vale lembrar a brutal agressão que ele representa para mulheres física e psiquicamente, além do reforço à ideia machista de tratar todas como coisas descartáveis emocional e biologicamente.

As agressões físicas e psiquícas já foram apresentadas no início deste texto.
A sucção, a curetagem e os sagramentos chegam a ser comparáveis com os golpes de um companheiro violento, por mais sedativos que se use para disfarçar. Psicologicamente, a dor de perder um filho, em que consiste a Síndrome Pós-Aborto, é indescritível, sem falar na desgraça social de reduzir o valor da vida das crianças, o que favorece a concordâncias com práticas como aquela da Candelária, muito mais conhecida pela chacina lá promovida por policiais militares sob pagamento de comerciantes locais do que pelo resto da história daquela região.

Essa é a forma mais clara de agressão às mulheres. Existem outras, sutis, mas nem por isso menos dolorosas. Uma delas é a especulação afetivo-sexual, e o aborto só vem reforçá-la ao eliminar as crianças, um dos mais fortes laços que mantém os casais unidos, favorecendo a atuação de cafajestes que ganham os corações de suas moças, brincam o quanto querem com eles e logo jogam fora, incentivando ainda que os filhos, que não tem nada a ver, paguem por esse mal fazer com a vida.

É inegável o fato de que o Brasil é um país machista, coisa clara em qualquer veículo da mídia de massa. Na evidente intenção de ganhar mais e mais audiência para a publicidade de seus patrocinadores, apelam os mafiosos da informação para o uso cada vez mais brutal da sexualidade, beirando o erotismo, usando o corpo feminino quase que todas as vezes. É uma violência que não poupa nem crianças:




 Como consequência, a banalização do corpo das mulheres, a perversão geral e o uso de métodos obscuros para ganhar o coração delas e logo descartá-los crescem assustadoramente. Os sucessos da cultura imposta pela TV como popular só reforçam isso:

Boquinha da Garrafa
,  Dança do Ventre (também do É o Tchan),
Dança da Motinha,
do Bonde do Tigrão (introduzindo no povo as palavras Funk, Tchutchuca e Popozão),
Saia Rodada e outras bandas de "Forró Eletrônico" (que é mais Lambada com Funk do que Forró),
Dança do Créu,
Gaiola das Popozudas
(Agora eu To solteira, Larguei meu marido e virei puta, Quero te dar, Late que to passando e essas aqui),


Recomendo que não assista. Pode dar pesadelos


Cria Asa Periquita (do MC Biruleybe)
e agora, esta merda)

São hinos para a selvageria! Louvores aos tempos da caverna que ofendem sem igual a dignidade humana!
Frequentemente, em especial em momentos de euforia, esse filão dos lixos culturais empreguina oo ar com suas mensagens ofensivas à existência humana. É o discurso da perversão, da opressão masculina, da redução de vidas, cheias de sentimentalismo, histórias, valores e sonhos, à condição ridícula de simples mercadoria descartável... Agressões musicais que não se justificam de forma alguma!

Em todo canto, em qualquer lugar, todo dia, as massas se expõem a essa ideologia. Seja em ondas de rádio, out-doors, cartazes nos bares, preconceitos escondidos em piadas populares, o repúdio ao auto-controle, ao respeito a si mesmo e ao mundo, assim como a apologia a uma forma miserável de vida formam um domínio de ideias que se reproduz e se fortalece por todos os meios possíveis!

E o aborto só vem reforçar tudo isso. Por mais que digam que serve de autonomia para as mulheres não se "prenderem com o tormento de uma gravidez indesejada", como dizem, não tem como negar repúdio ao ato de um homem de dar abortivos a sua parceira sexual para que assim se acabe qualquer vínculo entre ele e ela, coisa que só aumentaria a dor de corações já decepcionados pelo abandono do falso amor e pode acontecer mais frequentemente com a legalização da morte no ventre.

Agora, das agressões provocadas pelo ato e pela lei do aborto que aparecem aí em cima, nem a agressão física se compara em poder de destruição com o descarte biológico comum nos países onde é legalizado. Acompanhe o caso:

"Havíamos sentado precariamente na cozinha, quando ouvimos um gemido de dor vindo do quarto ao lado. Os gritos vindos do interior do cômodo aumentaram, e subitamente, pararam. Houve um soluço baixo e então a voz rouca de um homem disse acusadoramente: 'Traste inútil!'

"De repente, eu pensei ter ouvido um leve movimento no balde de água suja atrás de mim. Para o meu absoluto horror, vi um pequenino pé ainda se movendo além da borda do balde. A parteira devia ter jogado aquele pequeno bebê ainda vivo no balde de água suja. Tive o instinto de ir em direção ao bebê, mas dois policiais que me acompanhavam seguraram meus ombros firmemente. 'Não se mova. Você não poderá salva-la. É tarde demais'

"'Mas isto é… assassinato… e vocês são a polícia!' O pé agora estava inerte. Os policiais ainda me seguraram por alguns minutos. 'Fazer isto com uma bebê menina não é grande coisa por aqui', disse-me uma mulher mais velha tentando me confortar. 'Mas era uma criança viva!', eu lhe retruquei em uma voz trêmula, apontando para o balde. 'Não é uma criança', ela me corrigiu. 'É uma bebê menina, e não podemos mantê-la. Por estes lados, você não poderá se virar sem um filho. Bebês meninas não contam'."

O trecho que vai acima é a narração de uma das muitas histórias dramáticas presenciadas por Xinran Xue, escritora e radialista chinesa radicada na Inglaterra, em seu livro "Message from an Unknown Chinese Mother: Stories of Loss and Love". [...]

[...]
É na China um dos locais em que podemos ver a pior face do que já é chamado de Generocídio ("Gendercide"): devido à política de 1 filho por casal, um absurdo número de bebês do sexo feminino têm o destino daquela pequenina bebê que foi afogada logo após seu nascimento em um balde de água suja na frente da escritora Xinran Xue.

O acesso a tecnologias de ultrassom, torna o drama ainda maior, pois fica facilitado o aborto de bebês meninas em fases ainda iniciais da gravidez. Facilitado mesmo, pois para quem tem coragem de afogar uma bebê recém-nascida, matar uma criança ainda no ventre de sua mãe deve ser coisa que beira o trivial.

China e Índia são os países que lideram este campeonato bizarro, sendo que os conseqüências desta masculinização da sociedade já vai deixando seus efeitos negativos. E o futuro, se nada mudar, deverá ser mais negro ainda.

Os gigantes asiáticos, ambos, têm leis que proíbem abortos devido à seleção por sexo. Funciona? Não! É claro que não, pois quem acha que tem o poder de escolher entre a vida e morte de crianças inocentes não vai mesmo ter pruridos morais entre escolher um menino e menina.

Mas a coisa não fica apenas nos países em desenvolvimento... Na civilizadíssima Suécia, um dos países pioneiros na legalização deste crime hediondo e onde o aborto é completamente liberado até a 18a. semana de gestação,
a seleção por sexo é perfeitamente legal. Em virtude disto, não poucas são as mulheres norueguesas que viajam até a Suécia para para matar suas filhas não-nascidas, pois em seu país de origem esta seleção por sexo é (ainda) ilegal.

Pois é: a Suécia tornou ainda mais liberal o aborto e quem paga o pato, mais uma vez? As bebês do sexo feminino. [...]


[...]
E feministas/abortistas ainda querem que acreditemos que elas lutam contra a violência feita às mulheres? A multidão de meninas-bebês mortas do oriente ao ocidente mostra bem o tamanho desta mentira."

O texto completo se encontra aqui e foi escrito com base neste aqui, que fala do Generocídio.

Isso prova que, muito longe de ser um "direito natural da mulher", a prática do aborto é mais uma evidente forma de violência machista.
Se explica assim porque o foco das ações contra-abortistas deve estar exatamente nas consequências que ele traz para o povo, usando não a fé, mas a ciência como base para explicar porque as crianças, as mulheres e toda a sociedade são os maiores prejudicados por esse crime hediondo.


Agora, amigo leitor, quero que entenda que essa luta vai muito além das forças partidárias convencionais. Proteger as nossas crianças é tarefa que não depende só de um parlamentar comprometido em algum escândalo de corrupção ou jornalista facilmente censurável pela equipe editorial e pelos patrocinadores do jornal. É OBRIGAÇÃO DE TODOS NÓS, GENTE DO POVO HUMILDE QUE SOFRE NAS MÃOS DESSES RICOS QUE USAM DE TODAS AS ARTIMANHAS E MALANDROS PARA ENGANAR, ROUBAR E MATAR MILHÕES!

Perceba como é o tamanho da cara-de-pau deles:


Essa é pra quem esqueceu do primeiro turno da eleição de 2010. Confira o vídeo



Confira o vídeo abaixo e entenda






Clique para ampliar

PUNIÇÃO - "Se [minhas filhas] cometerem um erro, eu não quero punir elas com um
bebê." - SENADOR BARACK OBAMA

http://ts1.mm.bing.net/th?id=H.4598433560267216&pid=15.1
William Bennett, ministro de Ronald Reagan e de Bill Clinton, disse certa vez num programa de rádio: "Você poderia abortar todo bebê negro neste país, e sua criminalidade baixaria. Isso poderia ser uma impossível, ridícula e moralmente repreensível coisa de se fazer, mas sua criminalidade iria baixar." Traduzido deste artigo da ABC News. Note que ele fala primeiro na impossibilidade de se fazer o genocídio e depois da sua repulsa moral, o que indica que ele dá pouca importância ao racismo



Depoimento do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral




 EI! NÃO PERCA AS ESPERANÇAS E NEM FIQUE TRISTE POR  ISSO!
Heloísa Helena: Uma raridade que preserva o PSoL. Ela pode ter sido Senadora,
Deputada, Prefeita, mas sozinha, sem apoio do povo todo dia, exercendo
diretamente sua cidadania, não se pode construir um mundo melhor. A UNIÃO
FAZ A FORÇA!

Como você mesmo leu, é PRO POVO PARTICIPAR DA POLÍTICA, NÃO DEIXAR ESSE TRABALHO TÃO IMPORTANTE NA MÃO DE TÃO POUCAS PESSOAS COMO ESSA MULHER AÍ DO LADO.

Pra juntar os amgos na avenida, com faixa na mão e imprensa filmando pra arrombar mais ainda a popularidade do governador e manifestar nossa vontade, que é o Interesse Popular, taque propaganda com cartazes e musiquinhas por muros e ruas apelando pra sensibilidade, para a solidariedade e chamando o povo para a luta, como estou fazendo agora.

Só assim nós, povo do peito forte e brado retumbante, escrevemos a história! Os poderosos só lembram da gente quando se sentem seu domínio ameaçado. Por isso trabalham como loucos perto de eleição ou quando os protestos ficam cada vez mais difíceis de abafar, mas cedem querendo sempre preservar as coisas como estão. Isso ficou claro no segundo turno da eleição de Dilma, quando ela mudou seu discurso sobre o aborto. Hoje a mulher tá eleita e só cortando gastos com serviços sociais (como o Minha casa, Minha vida) pra repassar pros banqueiros e empreteiros da Copa, com o grande risco de liberar o aborto no final do governo.


PENSE GRANDE

O apoio que algums pessoas dão ao aborto é um problema pessoal e coletivo ao mesmo tempo. Este blog se empenhou em mostrar isso.
Cabe a você, militante contra-abortista, trabalhar diariamente contra o genocídio internacional silencioso. É uma luta dura não pela falta de gente pensando igual a nós, mas por toda a realidade que a classe dominante construiu para si ao longo dos anos.

MAS NÃO VAI SER POR ISSO QUE VAMOS DESISTIR DE LUTAR E VIVER!


Seu esforço em se por contra essa forma de fazer fortuna sobre a morte e sofrimento de milhões de jovens e crianças é justa e brava. Você luta não só em defesa de si mesmo (até pq já nasceu e tá aqui com a gente). Sua
 Nossa luta é contra o monstro do individualismo irresponsável e da safadeza generalizada apoiado pela mídia mercenária e piorado pela indústria farmacêutica!

"2º Dia Anual da Memoria Pró-Vida" Os números são de 1973 até 2008 só
nos EUA. E ainda chamam os outros de terroristas...
Por isso mesmo, a causa vai além das ruas; inclui o campo das idéias, atuando em qualquer lugar a qualquer tempo.
Não basta unir forças pra pressionar o governo a manter a lei como está ou mesmo fazer com que aplique penas maiores a quem ataca as crianças. Muito além disso, é preciso livrar o máximo de mentes possível das mentalidades que aprisionam as pessoas dentro de si mesmas, o que se consegue interagindo sempre com o povo, semeando de todas as formas possíveis os valores da sensibilidade, da solidariedade, do respeito aos outros e da igualdade própria de todo animal humano.




Para fazer isso, é preciso usar dos mais diversos meios de comunicação: Aproveitar brechas que se abrem em entrevistas com repórteres de TV, de rádio ou da internet, fazer comentários em público diante de notícias apresentadas na web ou no mundo real, conseguir espaços nos canais de comunicação pública (como esta blog faz agora), colar cartazes de todo tamanho em ruas e terminais de metrô ou ônibus, promover seminários em qualquer canto (principalmente em escolas e universidades), falar calmamente com os amigos, enfim, ir onde o povo está e conscientizar geral da importância de proteger as crianças semeando os valores já ditos. Lembrar também de usar frases curtas e de efeito, como

"Todo herói saiu do ventre e você também. (colocar fotos de pessoas como Einstein e Zumbi dos Palmares junto a de pessoas comuns). Diga não ao aborto."
ou ainda
"Criança merece vida, não pena de morte. Abaixo o aborto!"

Quem transforma as pessoas em mercadoria não tem porque ser imitado. Que
se dane se a mídia de massa transforma esse absurdo em costume! É errado e
tem que acabar. Tomar posturas, pessoais inclusive, contrárias a essa ordem é
fundamental para acabar com ela.
 Além disso, por questão de um mínimo de bom senso e coerência, é de fundamental importância aplicar as idéias do discurso que defendemos a nosso próprio cotidiano. Para além da oposição a prática do aborto, é de suma importância respeitar toda forma de vida, as crianças, as mulheres e natureza. As formas de aplicar essas idéias são as mais diversas: adotar animais abandonados, visitar um hospital de crianças com câncer, fazer doações a centros de acolhimento a animais maltratados, orfanatos e asilos, quando possível, cobrar do poder público atenção a esses centros, que é quem realmente deveria sustentá-los, et cetera.

Isso, mais que produzir os bons efeitos individuais do hábito de solidariedade no coração de quem os pratica, serve de exemplo pra toda a sociedade, mostrando claramente que uma outra forma de viver é possível e inspirando mais pessoas a seguir os mesmos passos gloriosos na resistência a essa neblina podre que só embaça a vista do povo. Assim também se elimina pensamentos egoístas e discriminatórios do seio das massas.

Por fim, quero chamar a atenção pra uma atitude consciente. Seguindo perfeitamente os pensamentos de sensibilidade, de solidariedade, de respeito, de plena coerência com o discurso e de combate a idéias que naturalizem opressões como o aborto, o tratamento respeitoso à pessoa amada se mostra como dever moral de todo aquele disposto a enfrentar o domínio da tirania nossa de cada dia.

Não há dúvidas sobre caráter ousado dessa postura frequentemente ridicularizada pelo discurso do sistema em suas telenovelas e letras de funk. Contrariando totalmente a idéia de que se deve tratar a companhia amorosa, especialmente a mulher, como uma garrafa de cerveja (coisa comprável cujo lacre deve ser rompido o quanto antes e, depois de consumida e exibida para os amigos, descartada em qualquer lixeira antes que o tempo estrague), a seleção cuidadosa da pessoa com quem se vai trocar grandes quantidades de afeto, carinho e atenção, assim como a prática sexual responsável, em seu tempo certo iniciado depois de um longo caminho contruído com muito amor, confiança e respeito, formam um exercício de humanização forte o bastante para suportar as tempestades geladas sopradas pela velha sociedade sem ceder à teimosa frieza que insiste em congelar os corações.

Não é preciso traduzir. Qualquer um entende.
Não é uma repetição do discurso de 'ser dono' de outra pessoa. Muito longe dessa visão ridícula, uma relação sólida não se constrói com dinheiro ou força, o que exclui totalmente a idéia de posse. Ao contrário, é o hábito perpetuado quase desde a existência do Ser Humano de tomar uma pessoa como parte de si (daí a origem das idéias de "metade da laranja", "tampa de panela" e andar de braços dados) e conviver na maior harmonia até ter e criar filhos que tem servido, ainda mais nos tempos de hoje, como prática cotidiana importante para
alimentar repúdio ao culto à babárie que tanto se prega nos veículos de comunicação do poder. Este livro traz interessantes considerações sobre isso.

Contudo, não são também as relações amorosas estáveis a grande salvação da humanidade e forma de conscientizar as massas a parar com o aborto. É sempre bom manter esse costume, defender o amor com responsabilidade, aplicar isso na prática, mas só ele não é suficiente para convencer multidões a perceberem as próprias dores e tomar atitude pra resolver seus maiores problemas.

Quem vai resolver então?



VOCÊ!

Você conheceu a verdade por tudo que está aqui escrito e fundamentado;
Você viu a incoerência do discurso dominante;
Você sabe onde estão os erros e, mais ainda, algumas formas de apontar e consertar muitos deles.


"O conhecimento nos faz responsáveis", já dizia um grande pensador.
Ter confiança em si mesmo é o primeiro passo pra mudar a realidade é o primeiro passo dessa longa caminhada. E os passos não serão dados por um certo parlamentar ou revista semanal; nós é que caminharemos com nossas próprias pernas fazendo nosso próprio caminho rumo a vitória sobre isso que Gilberto Dimenstein descreve bem como "Cidadania de Papel" aqui.


TERMINANDO ESTE SEMINÁRIO, deixo estas últimas palavras:
1) Existem 3 motivos bem claros pra negar o argumento tosco de que 'tem que liberar porque o Estado é Laico'. São eles:
* A maioria das que fazem aborto é católica ou evangélica ( leia nesta pesquisa, ou relembre o caso do pastor estuprador)
* Existem argumentos fortes contra o aborto que não são religiosos, muitos já apresentados aqui
* O Estado pode ser laico, mas deve garantir a todas as pessoas, independente de tudo, o direito à vida
2) Antes vivo, pobre e na luta por um mundo melhor do que morto e calado num lixão.
Estão querendo matar nossas crianças, que um dia fomos, culpando todas pela existência da miséria?! ABSURDO! ABSURDO! ABSURDO!
3) O aborto é uma causa necessariamente anti-popular e antifeminista
Isso já foi mostrado lá em cima
4) Abortistas falam em 'direitos de uma minoria oprimida'. Nós, contra-abortistas, falamos em direito de todos à vida. O que importa mais?
5) Quem leu até aqui e odiou cada palavra transmitida, que use sua boca e suas mãos nascidas inteiras e bem desenvolvidas reclamando sua vontade de morrer e matar os outros.
Bando de hipócrita...

6) Isso vai muito além dos rótulos de careta-moderno, partido A-partido B ou catolicismo-ateísmo. A realidade é bem mais complexa do que isso e a luta contra o aborto, necessariamente, é de todos os Seres Humanos, exatamente igual a luta contra o nazifascismo!
 

7) Não é feio ser contra-abortista e até defender e praticar a castidade por muito tempo, forma mais certa e segura de fugir de filhos e doenças. Feio, absurdo e repulsivo é uma empresa que vive de vender vídeos de mulheres expostas para o mundo inteiro chamando a si mesma de 'brasileirinhas'. Feio é uma novela que apela pra banalização do sexo e da virgindade pra ganhar/manter audiência. Feio e absurdo é a crise econômica, o capital sedento de guerras e desastres, o homem que diz representar o povo pra apunhalar todos pelas costas e pelo bolso depois de eleito!

E
8) lutar contra o aborto, por defender os pobres, por defender que as crianças tenham condições e os verdadeiros culpados pelo aumento da pobreza sejam culpados contribui para transformar toda essa realidade que aí está, coisa perfeitamente possível que já aconteceu milhares de vezes por toda a História da Humanidade.

E DA NOSSA FORÇA UNIDA VIRÃO NOVOS TEMPOS!

O Direito à Vida ultrapassa qualquer manifestação de 'vontade pessoal', coisa facilmente influenciável por cifra$, punhos ou costume de submissão a uma ordem exploratória (machismo (interesses do parceiro), positivismo (os pobres, não os ricos, como culpados pela pobreza) etc.)


PELA VIDA DE TODAS AS PESSOAS, UNI-VOS!

6 comentários:

  1. Texto iniciado em 6/8/2011 e terminado hoje, no dia 7 de Setembro de 2011.

    ResponderExcluir
  2. Caramba, o texto é ótimo! Não li tudo mas peguei bastante coisa. Realmente essas abortistas só querem legalização pra sair transando por aí sem ter problemas, e isso vai ser mais fácil ainda se a clínica for do governo, daí fazem de graça. O certo a fazer é criar orfanatos BONS para colocar crianças ''indesejadas'' lá, frutos de estupros por exemplo.

    ResponderExcluir
  3. Sobre aquela citação de Lênin ele não poderia estar mais correto do que hoje. No livro que eu li sobre consumismo, as instituições atuais que nadam contra a corrente ideológica do mercado têm pouco poder de influência (família, escola, igreja, estado etc) pois a mentalidade das pessoas é a libertinagem capitalista. Mas como o Estado (ainda) mantém seu direito de soberania nacional as Leis são a única saída pra combater os abortistas e outros libertinos

    ResponderExcluir
  4. ...as leis e, principalmente, AS NOSSAS PALAVRAS E AÇÕES

    ResponderExcluir
  5. Achei bem fraca essa postagem, apenas apelo emocional.

    ResponderExcluir
  6. oO
    Leu tudo ou só comentário de algumas fotos?
    Pq aqui tem informação até do cenário internal

    ResponderExcluir